quarta-feira, 22 de julho de 2009

Financiamento de carro: bancos terão que indenizar por cobrar taxa de retorno


A juíza Natascha Maculan Adum, da 7ª Vara Empresarial do Rio, condenou os bancos ABN Amro Real e Aymoré a pagar R$ 2.500, por danos morais, e um valor a ser calculado por danos materiais, a consumidores que tenham tido prejuízos com as chamadas tabelas de retorno. O sistema, segundo denunciou o Ministério Público estadual em ação civil pública, é usado no financiamento de veículos para camuflar o valor real do crédito. Os bancos podem recorrer.

De acordo com a ação, as instituições financeiras oferecem às concessionárias e revendedoras de automóveis uma bonificação sobre o valor financiado, através da tabela de retorno, que possui códigos que variam do 0 a 12. Cada "R" representa um percentual de retorno, ou seja R2= 2%, R10= 10% de retorno. Esse percentual varia de acordo com o ano do carro e o prazo contratual; quanto mais velho, maior a taxa de juros, ficando o vendedor com uma margem de negociação para a redução da sobretaxa.

"É certo que o consumidor não tem a mínima noção da existência de tais variações e da sobretaxa aplicada ao financiamento, ficando na ilusão de que o vendedor está negociando consigo um desconto na operação financeira, sendo certo que o valor financiado é, em verdade, superior ao do bem objeto do financiamento", escreveu a juíza na sentença.

A magistrada destaca ainda que os próprios bancos admitem o uso da chamada tabela de retorno em suas operações, alegando que se trata de cobrança, ao cliente, das despesas com terceiros, uma espécie de comissão pela aquisição do financiamento diretamente com a revendedora. Afirmam ainda que o consumidor, ao invés de optar por celebrar o financiamento diretamente com o revendedor, poderia pesquisar em outras instituições financeiras e, se preferiu a primeira hipótese, tem a possibilidade de negociar o retorno e o valor do produto com a revendedora

"Ora, tais alegações são totalmente inverídicas. Os vendedores se limitam a informar ao consumidor o valor mensal dos juros e das parcelas, sem revelar o custo total da operação, ou CET - custo efetivo total, regulamentado pelo Banco Central na resolução nº 3517/07, fato que esta magistrada já teve oportunidade de constatar em algumas ocasiões quando pesquisava sobre preço e condições de financiamento de veículo em várias concessionárias", afirmou a juíza.

A sentença determina ainda que os bancos terão que oferecer planos de financiamento às lojas de automóveis de modo a que os consumidores sejam informados de todos os valores incluídos nas operações de financiamento. Os réus foram condenados ao pagamento dos honorários advocatícios fixados em R$ 50 mil, que serão revertidos ao Centro de Estudos Jurídicos do Ministério Público.

Processo 2009.001.028253-8

Fonte: TJ/RJ

http://www.oablondrina.org.br/noticias.php?id_noticia=16578

3 comentários:

  1. Eu sofri do mesmo golpe. Como faço para recorrer?

    ResponderExcluir
  2. Procure por um órgão de defesa do consumidor, como o PROCON, de seu município e por um advogado.

    ResponderExcluir
  3. OI GOSTARIA MUITO QUE VC TIRASSEM UMA DUVIDA MINHA EU FINANCIE UM CARRO EM 48 VEZES E JA PAGUEI 8 PARCELAS MAIS INFELISMENTE TOU SEM CONDIÇÃO DE CONTINUAR PAGANDO,E PORQ AS PARCELAS SAO PESADAS DEMAIS E EU GOSTARIA DE SABER SI EU PODERIA TA DEVOLVENDO PARA FINANCEIRA SEM QUE EU SAI EM PREJUIÇÃO E SI EU SAI PERDENDO TUDO
    Ou SI EU PODERIA TA TROCANDO OUTRO PELA PARCELA MENORES.
    ME RESPONDA

    ResponderExcluir

Grato pela contribuição. Flávio